27 de Junho de 2017

Ações simples podem mudar tudo!

Professores de Ciências – humanistas – do Colégio Soka empenham-se em promover uma “teoria do caos” do bem

Cada um pode ajudar na mudança desde que haja a disposição e a coragem

A professora de Física Eliade Amanda Alves

Professor Mábio, de Biologia: "...Se cada um fizer a sua parte, claro que tem jeito!"

Professora Grace de Ciências: "é preciso tocar os alunos pelos sentidos"

Na ideia central da teoria do caos , acontecimentos minúsculos como o bater das asas de uma borboleta, podem causar calamidades inimagináveis. Dentro desse mesmo princípio, os professores das disciplinas de Ciências do Colégio Soka compreendem que a partir das pequenas ações do bem é possível reverter quadros aparentemente impossíveis. O BSGI Newsletter convidou os biólogos Grace Helena Souza Domiciano e Mabio Ullisses Gomes Vieira e a física Eliade Amanda Alves para conversar sobre o tema “Como incutir nas novas gerações o desejo por um planeta mais sustentável e mais harmonioso”.


“Tenho sempre em mente que é preciso tocar os alunos pelos sentidos. Ficar horas em uma sala de aula argumentando sobre a necessidade de agir é vazio, não chega ao coração”, inicia Grace. Na contramão do que predizem os fatalistas ambientais, Grace acredita que há saída para todas essas crises, mesmo com o Brasil caminhando na direção oposta dos mais relevantes eventos internacionais do clima e perdendo oportunidades incríveis de se engajar na chamada revolução verde.


Professora do Colégio praticamente desde a fundação em 2001, Grace é engajada na causa ambiental e todos os anos promove excursões “verdes”. Leva os alunos à Serra da Cantareira, ao Jardim Botânico e ao Centro Cultural Campestre da BSGI. “Há crianças que nunca pisaram no barro, na grama”, conta. Ela argumenta sobre a necessidade de expor os pequenos à vida que os rodeia para que se sinta parte dela e assim, entendam naturalmente sobre a necessidade de preservá-la.


Mabio é um educador cientista apaixonado pelo seu fazer científico. “Os meninos das grandes cidades vivem imersos em uma ‘bolha’, um mundo reduzido em que não conseguem ver-se inseridos no habitat natural. Eu sou a favor do choque de realidade para que se percebam como seres habitantes deste planeta”, argumenta. Mabio explica aos alunos que o conhecido rio Tietê que corta São Paulo e é um dos mais feios e vergonhosos “cartões postais” da cidade, já foi um lindo curso d’água cheio de curvas e mata ciliar. “Aí tiveram a brilhante ideia de ‘esticar’ o rio, reduzindo sua área e causando um impacto devastador. O resultado são os alagamentos anuais com os quais a população convive resignada”, explica.


Indignado, procura passar esse sentimento aos alunos para que busquem pensar em maneiras de solucionar os graves problemas ambientais que afligem a todos.


“As pessoas insistem em classificar o homem e a natureza como se não fizéssemos parte dela. Não tem separação! Somos parte do problema, aliás a pior parte pois nós somos os causadores, e é por isso que temos que repensar cada ato”, indigna-se Mabio.


A professora de Física Eliade enfatiza que busca esclarecer que as Ciências “duras” – Matemática, Física, Química – são essenciais para se desvendar as soluções e formular possibilidades. “Nem só de mata verde vive a Ciência!”, reitera. “Sem conhecer os conceitos básicos de cada área da Ciência não se terá a noção do todo”, resume. Eliade complementa ainda dizendo que “o amor pelo meio ambiente, perpassa necessariamente pelo amor a tudo que envolve os seres e seus fenômenos”.


O grande desafio, segundo Mabio, é desmistificar as barreiras das disciplinas. “Quando uma pessoa corre, por exemplo, tem diversas forças envolvidas nesse ato. Na Biologia, os músculos envolvidos, sangue bombeado; na Química, reações bioquímicas; na Física, o ar deslocado, a distância percorrida; na Matemática, quanto de perda metabólica e por aí vai”, enumera.
Os três concordam que é preciso também criar um senso crítico para que não se contentem com as informações desconexas, equivocadas e tendenciosas da mídia e fazer com que repensem suas necessidades de consumo. “Cada compra tem um impacto, desde a embalagem até o uso real do produto”, alerta Grace. Ela relembra do princípio dos 5R’s:



“E, acima de tudo, é preciso tirar da cabeça a ideia de que ‘não tem jeito’. Tem jeito sim! Se cada um fizer a sua parte, claro que tem jeito!”, finaliza Mabio.

Voltar para o topo

Outras notícias

Junho de 2017

Maio de 2017

Abril de 2017

Março de 2017

Fevereiro de 2017

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI