14 de August de 2019

Cultura de Paz em destaque no Pará

Exposição Da Cultura de Violência para a Cultura de Paz, da SGI, é exibida em duas cidades do estado

Escolas participam de rodas de conversa durante a visitação à exposição em Belém

Primeiro palco foi o Instituto de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Pará (UFPA), na capital Belém; e o segundo o hall de eventos do Paraíso Shopping Center, em Santarém. Comemorando os 50 anos da presença da BSGI no estado, a mostra-documentário celebrou a efeméride em grande estilo e pompa. A exposição Da Cultura de Violência para a Cultura de Paz percorreu 230 cidades em 31 países do globo. No Brasil ela já foi exibida em dezenas de locais e em Belém, foi sua estreia na região Norte do país. A abertura em Belém se deu em 8 de abril e em Santarém dia 17 do mesmo mês.


Na cerimônia de abertura em Belém, Yuji Ikuta, presidente da Associação Pan-Amazônia Nipo-Brasileira, demonstrou sua admiração pela BSGI e destacou a grandiosidade da exibição e a importância dela para todas as pessoas, independentemente de qual seja a religião. Júlio China, primeiro vice-presidente da BSGI, ressaltou a influência dos ideais propagados pelo presidente Ikeda em cada painel da exposição, reforçando: “Cabe a cada um de nós construir um mundo sem guerras. Cada um deve se perguntar se isso é meramente uma tarefa impossível ou se deve continuar a se desafiar, mesmo em meio às maiores dificuldades, pois todo o destino do século 21 depende dessa decisão”. Afirmou que a mostra busca enfatizar as raízes da história da própria Soka Gakkai, uma luta incansável contra a opressão, a intolerância extrema e as consequências devastadoras da guerra. Continuou dizendo que os associados, por todo o mundo, se propõem a transformar a vida com o cultivo de valores humanísticos e a promoção de uma cultura de paz.


O reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho, destacou o trabalho da universidade de não apenas formar e introduzir conhecimento aos seus alunos, e sim contribuir para o processo civilizatório que proporcione uma vida com dignidade para todas as pessoas. “Tanto a UFPA quanto a Soka Gakkai Internacional estão alinhadas no propósito de promover o respeito, a tolerância e a paz entre os indivíduos. Precisamos nos manter convictos de que nossa luta por um mundo justo e de paz será bem-sucedida.”


Além do reitor da UFPA e do primeiro vice-presidente da BSGI, participaram da cerimônia José Luiz Prieto do Nascimento, vice-presidente adjunto da BSGI;  o vice-reitor da UFPA, Gilmar Pereira da Silva; a diretora-geral da Escola Superior Madre Celeste, Nilse Pinheiro; o presidente da Associação Pan-Amazônia Nipo-Brasileira, Yuji Ikuta; o pró-reitor adjunto de gestão de pessoas da UFPA, Victor Daniel de Oliveira e Silva; a representante da OAB-PA, Juliana Fonteles; o presidente da Federação Libanesa do Pará, Joel Bitar; a professora associada da UFPA, Maria Ludetana Araújo; e aproximadamente 160 membros da organização local.


 


Santarém


A manhã da abertura, dia 17 de abril, da exposição Da Cultura de Violência para a Cultura de Paz, em Santarém, no Paraíso Shopping Center, com a presença de cerca de 50 convidados, entre autoridades e membros da BSGI. Estiveram presentes: o orefeito de Santarém, Nélio Aguiar; o diretor do Fórum de Justiça de Santarém, Cosme Ferreira Neto; a pró-reitora de Ensino da Universidade Federal do Oeste do Pará, Solange Ximenes; o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Santarém, Juliane Fonteneles, entre outros importantes personalidades do cenário cultural e político do município.


“A mostra apresenta o contraste do quanto o mundo está perdendo e o quanto as pessoas ainda poderão sofrer se permanecermos com esta cultura de guerra e, nós, enquanto sereshumanos, devemos nos transformar e a cada dia buscar a cultura do diálogo e da paz”, enfatizou o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar após visitar a exposição.


O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Santarém, Juliane Fonteneles Zampietro salientou que “se vivemos num mundo de violência e maldade é porque os bons estão inertes. Precisamos da audácia e ação das pessoas de bem”. Segundo ele conhecer a dor alheia é fundamental para que mude suas visões. “A partir do momento em que você conhece a dor do outro, por exemplo a realidade da fome e outras circunstâncias que resultam no crescimento da violência, como demonstram os dados nesta exposição da SGI, você consegue levar para seu lar o diálogo e a consciência sobre a necessidade e tratar o outro como igual, refletiu.


Já a pró-reitora de Ensino da Universidade Federal do Oeste do Pará, Solange Ximenes, disse estar muito feliz por conhecer a BSGI e seu trabalho, em particular essa exposição que traz uma reflexão sobre qual é o nosso papel na construção de um cultura de paz no mundo. “Reconhecer que a violência não está somente no outro e pode estar em nós também, e nos chamar a atenção para essa mudança de postura individual, de cada um de nós, para resultar numa transformação positiva de toda a sociedade”, finalizou.

Voltar para o topo

Outras notícias

August de 2019

April de 2019

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI