10 de Outubro de 2017

Departamentos da Coordenadoria Cultural promovem eventos

Profissionais de Saúde e Juristas realizam encontros para seus membros e convidados

Depas: reflexão para a conscientização visando um mundo de paz

Roda de discussão: Juristas da BSGI em constante aprimoramento

A cidadania plena só pode ser obtida a partir da superação dos limites impostos pelas contradições socioeconômicas que impedem o livre acesso à educação e à arte o que causa uma imensa lacuna na formação integral da população. A cultura humana é a mais sublime expressão de sua alma e deve ser forjada no sentido de valorizar a vida, sempre são desafios para este novo milênio proporcionar, não somente condições de acessibilidade aos bens culturais, mas também de conscientização quanto ao valor e a importância de sua identidade enquanto Nação. É com esse objetivo que os departamentos que compõem a Coordenadoria Cultural realizam eventos sazonais para aprimoramento individual de seus membros. Em setembro, os Departamentos de Saúde e de Juristas promoveram palestras com temas pertinentes às suas áreas de atuação.


 No dia 10, o Departamento de Saúde (Depas) realizou o evento A Depressão segundo a Ótica da Neurociência e do Budismo, no auditório da Paz do Centro Cultural da BSGI. Os palestrantes convidados: dra. Edna Bertini, neurocientista e professora da Unifesp e o dr. Sidney Tojer, médico e coordenador do Núcleo de Orientação Social da BSGI.


Segundo Edna, a depressão é uma doença ou um distúrbio afetivo, que atinge a humanidade desde suas origens. Atinge a autoestima, o que exacerba o sentimento de inferioridade, tristeza, pessimismo, e é desencadeada por uma séria de fatores que, combinados entre si pode agravar e ocasionar o aparecimento de outras patologias associadas. Pode surgir em todas as idades desde a infância até a terceira idade.


Diferente do senso comum, é uma doença que atinge diversas áreas químicas do cérebro, causando desequilíbrio neuroquímico. Mesmo diante de tanta informação à disposição, os doentes ainda são alvo de muito preconceito, o que só agrava sua condição, pois a descrença quanto a gravidade da doença tanto por parte do próprio paciente como por parte dos familiares é algo mais comum do que se imagina.


Edna enfatizou que, além do tratamento convencional com remédios e terapia, uma mudança de atitude é fundamental para superar a doença. “Visão de mundo pessimista leva à neurotransmissão negativa do sistema endócrino e imunológico”, afirmou.


É nesse ponto específico que a palestra do médico Sidney Tojer se concentrou. Além de abordar os aspectos fundamentais da visão de mundo budista, sempre cercada de positivismo, ele elucidou como o cérebro processa a meditação do mantra budista Nam-Myoho-Renge-Kyo. “O princípio budista da Unicidade de Corpo e Mente é algo que a ciência só admite há 70 anos, algo que o buda Nichiren, no século XIII já enfatizava como um ponto importante para a plenitude humana”, explicou o médico.


  O evento Violência de Gênero e Violência contra a Mulher: uma Afronta à Didnidade Humana, promovido pelo Departamento de Juristas também no Centro Cultural da BSGI no dia 23, reuniu cerca de 40 pessoas e contou com a palestra da advogada Gabriela Sequeira Kernesse, militante da OAB na área de Direitos da Mulher. Gabriela é associada da BSGI há 28 anos.


Uma em cada três mulheres sofreram algum tipo de violência no último ano. Só de agressões físicas, o número é alarmante: 503 mulheres brasileiras vítimas a cada hora, dados recentemente publicados e que demonstram o grau de relevância que o tema da palestra possui ainda hoje.


“A Lei Maria da Penha é considerada uma das três leis mais completas do mundo”, ressaltou a jurista. Um dado bem pouco conhecido é que não somente a mulher é protegida por essa lei, mas travestis e transgêneros também. “Desde que a agressão tenha ocorrido pelo motivo da pessoa ser mulher, a lei se enquadra”, conta.


Os números da violência contra mulher só no Brasil são mais do que alarmantes. Cerca de 22% das brasileiras sofreram ofensa verbal no ano passado, um total de 12 milhões de mulheres. Além disso, 10% das mulheres sofreram ameaça de violência física, 8% sofreram ofensa sexual, 4% receberam ameaça com faca ou arma de fogo. E ainda: 3% ou 1,4 milhões de mulheres sofreram espancamento ou tentativa de estrangulamento e 1% levou pelo menos um tiro (dados do DataFolha divulgados este ano, no dia 8 de marco, Dia Internacional da Mulher).


São números alarmantes. Porém, não é possível apenas indignar-se. É preciso e posicionar-se e agir. O presidente da SGI, dr. Daisaku Ikeda, há décadas, denominou o presente século de Século das Mulheres, como forma de enobrecer o caráter feminino que há tanto tempo vem sendo marcado pela discriminação e intolerância. Avanços foram conquistados mas infelizmente ainda há um longo caminho a percorrer.


“O budismo de Nichiren Daishonin, o sábio japonês do século XIII que já em sua época dizia que ‘não deve haver diferença entre homens e mulheres’, é um exemplo de que a filosofia humanística deste budismo é um caminho para a obtenção da igualdade de gênero tão necessária e almejada desde sempre.


 

Voltar para o topo

Outras notícias

Dezembro de 2017

Novembro de 2017

Outubro de 2017

Setembro de 2017

Agosto de 2017

Julho de 2017

Junho de 2017

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI