30 de September de 2021

“Mudei a forma como via o mundo!”

A nutricionista Jéssica Caroline Santos transformou sua vida vencendo a TAG – Transtorno de Ansiedade Generalizada

Jéssica e os queridos avós no dia de sua formatura

Desde muito jovem, Jéssica sofria. Não sabia o que a angustiava tanto até que aos 20 anos teve o diagnóstico de TAG - Transtorno de Ansiedade Generalizada. Trata-se de uma condição com sintomas muito semelhantes aos da Síndrome do Pânico e do Transtorno Obsessivo Convulsivo, dentre outros transtornos causados ​​pela ansiedade. “Desde a adolescência tenho que lidar com ansiedade constante e muitas vezes incapacitante”, contou.


Seguiram-se tratamentos com terapias semanais com psicólogo e, paralelo a isso, cursava nutrição e trabalhava cerca de 9 horas por dia em um Call Center como supervisora, comandando uma equipe com média de 20 colaboradores. Em meio a tudo isso foi apresentado à BSGI e sensação que havia encontrado um caminho para se libertar de sua condição.


Apesar das crises de ansiedade e do pânico não se deixava abalar, mantendo-se ativa. Arrumava tempo para família, para o namorado, e ainda atuava como responsável pelo estudo no grupo de dança do Núcleo Jovem Feminino da BSGI, Taiga, junto com a dedicação à organização local da BSGI. “Mesmo correndo sempre que superar realizar tudo e sabia que era a prática budista que me mantinha de pé, em movimento, avançando e desenvolvendo cada vez mais”, enfatizou.


A família observava-a com cuidado protetor pois sabia de sua condição de saúde. Mas a mudança em Jéssica era nítida. Ela é a única da família a praticar o budismo. “Graças ao meu empenho, puderam notar a grande mudança na minha forma de ver o mundo, agir e me comportar. Sempre em mente que deveria ser o sol da minha família que a prática budista seria um grande guarda-chuva e todos iriam receber uma boa sorte que acumulava ”, alegrou-se. A cada dia olhavam-na com mais e mais respeito, orgulho e confiança. Viajou para apresentações do Taiga e outras atividades da BSGI, conquistando todos os seus objetivos.


E, finalmente, com o ano de 2019 teve início o período mais marcante na minha vida. Foi quando concluído o curso de nutrição, saiu do trabalho onde atuou desde os 18 anos e também transferiu-se para uma localidade da BSGI mais próxima de sua residência.


Foram muitos os desafios e também de vitórias! Conseguiu trazer mais meninas para as atividades da BSGI em seu local de atuação, viajou muito e a vida profissional também se científica, trabalhando na Universidade de Brasília. “Penso que os objetivos da vida pessoal e profissional precisam estar adequados com os esforços empreendidos na BSGI. Se temos sonhos grandiosos, nossa luta deve ser proporcionalmente a eles. Terminei aquele ano com dois artigos publicados ”.


O ano de 2020 chegou e outros desafios surgiram. Já não estava trabalhando na Universidade de Brasília e, no início do ano de férias com sua irmã em São Paulo, teve início o maior desafio de todos: a pandemia da Covid-19. Entre assustados e preocupados, todos tiveram que aprender a lidar com a nova situação rapidamente. Mudanças nas relações, reuniões online e angústia da espera, junto ao medo generalizado por uma situação totalmente nova e aterradora, com o número de fatalidades crescendo matamenteamente.


Mas, em meio a todas essas incertezas, Jéssica foi na contramão e conseguiu um novo emprego que lhe permitia participar das reuniões, estudar, realizar seus projetos profissionais e atender às necessidades de seus companheiros da BSGI. Ela é hoje gerente Regional de Segurança Alimentar e Nutricional de Santa Maria, sob o olhar orgulhoso de sua família.


E então o grande desafio: no dia 5 de abril de 2021 foi diagnosticada com Covid-19. “Passei por 15 dias muito difíceis, apesar de não precisar ser internada foram sintomas muito fortes. A ansiedade só piorava e passava dias e dias com crises e não podia ter ninguém fisicamente perto de mim ”, contou. Foi aí que a força e a energia de todo o seu esforço dos anos anteriores se revelou. A família de origem e a família Soka acorreram em seu socorro. “Nesse momento toda minha família, meus companheiros da BSGI me abraçaram de uma forma única, não permitir, por momento algum que me sentisse solitária e oravam muito para o meu restabelecimento completo”.


A avó Maria foi a pessoa que mais a acolheu, enviando-lhe comida, telefonando. Pouco tempo depois de estar livre do vírus, soube que seus avós adquiridos testado positivo para a Covid. Assintomáticos, mas em idade avançada, receberam todos os cuidados e foram internados. “A partir desse descrito os dias mais difíceis da minha vida, sem tempo para me recuperar do pós-covid, eu orava o dia todo, na minha casa, no hospital, na madrugada em frente ao hospital e em todo lugar e momento. Orava do fundo do meu coração que o melhor aconteceria, que não sofressem e que ocorresse o melhor para cada um ”, emocionou-se.


Seguiram-se dias e noites em claro, sem vontade de comer e a rotina diária de se dirigir ao hospital. Apesar de muito sofrimento e dor entre aquelas pessoas, conseguia por meio da confiança absoluta em sua fé no budismo, levar calma, sabedoria, força e coragem para transmitir o melhor àquelas pessoas. “Eu tinha certeza da força da minha oração e, enquanto meu avô ia melhorando, minha avó piorava, mas tive a oportunidade de vê-la e olhá-la. Consegui dizer a ela que não estava sozinha e que a amava muito”.


No dia seguinte sua avó foi entubada e levada à UTI. Pouco depois os rins colapsaram e foi iniciada a diálise. Jéssica manteve sua fé e esperança no melhor resultado, com a certeza de que a honrada e amada vida de sua avó continuaria vivendo eternamente nela, independente do que ocorresse. Assim, pouco tempo depois, sua querida avó faleceu serenamente.


O avô teve alta um dia antes, Jéssica precisou reunir todas as suas forças para segurar a sua dor e amparar seu idoso avô enlutado. “Precisei reunir toda a minha coragem para consolar meu avô traumatizado por tudo que havia passado no hospital e a perda da companheira de 50 anos”. As semanas seguintes foram muito desafiadoras e assustadoras, para a jovem nutricionista: lidar com as fases do luto, a própria dor e a dos familiares.


Para ela foi particularmente muito complicado lidar também com o transtorno de ansiedade que já se encontrava num estágio muito pior desde o início da pandemia. “Eu não conseguia mais realizar coisas que me lembravam do momento de estar acompanhando-a, não passava na frente do hospital, não olhava, evitava falar, sentia medo de perder as pessoas que amava e não conseguia realizar minha prática budista”.


Novamente, foi no seio da família Soka que Jéssica encontrou o apoio necessário. Com essa ajuda, buscou novamente o auxílio de profissionais e reiniciou a terapia. “Fui diagnosticada então com Transtorno de Estresse Pós-traumático, pois não conseguia realizar nenhuma das coisas que me faziam lembrar daqueles momentos específicos”, contou.


O que ela ressalta com gratidão é que em nenhum momento se sentiu solitária. Sua companheira do Núcleo Jovem e demais amigas da BSGI se revezaram no apoio. Mais uma vez a força da união que advém da família Soka! “Um passo de cada vez, só mais cinco minutos... e eu consegui reerguer na minha vida, por meio da prática budista. E depois que todo sofrimento foi passando com tanto apoio e oração, pude colocar em prática a diretriz do mestre Josei Toda [segundo presidente da Soka Gakkai] ‘Os membros do Núcleo Feminino de Jovens devem fazer do estudo sua base’. Voltei a estudar o budismo e, por meio disso, compreendi que minha dedicação aos ideais da BSGI foi retribuída, pois minha querida avó se foi após de cumprir a sua linda e majestosa missão”, enfatizou Jéssica.


Ela encerra citando uma frase do romance Nova Revolução Humana: “'A dedicação das senhoras na prática da fé trará benefícios e boa sorte a todos os membros da família. Sua presença será como um grande guarda-chuva que protege toda a família da chuva '. Eu fui e continuarei sendo esse grande guarda-chuva que protege a minha família e continuarei a brilhar como um grande sol ”.

Voltar para o topo

Outras notícias

December de 2021

November de 2021

October de 2021

September de 2021

August de 2021

July de 2021

June de 2021

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI