09 de Junho de 2016

O despertar do potencial interior

Cidinha Alves: um ser humano em constante aprendizado

Te livraste, mulher, deste cenário antigo.
Dança agora num chão novo, debaixo de um novo céu, banhada de alegria, sabedoria e boa sorte.
Diante do límpido espelho de Lótus podes ver a ti mesma.
A vida pura que vês rica, linda e aconchegante – amor e pão dará a todos –  e todos em ti confiam.


(Fragmento do poema de Daisaku Ikeda, Para aquelas que preservam a dignidade da vida)


 


Assim que se inicia um diálogo com Maria Aparecida Alves de Oliveira, é praticamente impossível parar. Dona de uma força e uma ternura incomparável – Cidinha como é conhecida – é capaz de despertar em qualquer ser o desejo irrefreável de ser mais e melhor. “Nesses 32 anos, desde que me associei à BSGI, foram muitos os desafios enfrentados e muitos objetivos concretizados e acredito que assim será por toda a vida, pois já fiz minha decisão de jamais me afastar do caminho do humanismo, não importando o que aconteça!”, exclama.


A liderança se estampa em cada frase, sem contudo transparecer qualquer resquício de soberba. “Venho de uma família simples, tenho cinco irmãs e um irmão, meus pais não tiveram nenhum estudo e quando conheci a BSGI não tinha muitas expectativas em relação ao futuro, tudo era muito difícil e qualquer coisa que fugisse ao cotidiano já era considerado um sonho impossível”. Porém, ao se deparar com a filosofia humanística do budismo de Nichiren Daishonin, base de todas as ações da BSGI, tudo mudou. “A crença de que todas as pessoas são budas e que, portanto, o potencial para a mudança se encontra ao seu alcance, me motivou a desenvolver ainda mais. Passei a ter esperança e a lutar por um futuro melhor, pela transformação do meu carma e de minha família”, explicou.


Dedicando-se com afinco aos estudos, tanto os acadêmicos como da filosofia que escolheu abraçar, dia após dia, com o passar do tempo foi comprovando em sua vida a grandiosidade dos ensinos do mestre Nichiren. Seu primeiro objetivo foi passar em um concurso público federal, onde trabalha até hoje. Casou-se dentro da filosofia e teve sua filha. Toda a família hoje é associada e atua diligentemente pela construção de uma sociedade verdadeiramente humanística para edificar uma paz perene.


O sonho do curso superior se realizou somente após a formatura da filha. Cursou Psicologia porque desde pequena já se perguntava sobre o mundo,  a vida e o porquê das relações. Estudiosa e observadora, assistia intrigada o modo como as pessoas agiam, gesticulavam e riam. “Adoro gente, adoro ouvir as pessoas falando e contando suas histórias. Eu achei que a psicologia me daria o conhecimento sobre as pessoas”.


Dessa forma, aos 45 anos iniciou o curso dos seus sonhos. Foi onde conheceu e se aprofundou no trabalho de Carl Gustav Jung. “Pensei: ‘isso aí tem muito a ver comigo’. Pois ele une o conhecimento da filosofia de Nichiren com o conhecimento da psicanálise, e o meu objetivo era esse, de que maneira eu poderia utilizar todo esse conhecimento no movimento da SGI ao qual eu já dedicava a minha vida”, conta entusiasmada. Escolheu como foco, as mulheres, pois crê que elas têm esse papel fundamental de transformar o mundo, de fazer a paz, por meio da força de sua ternura maternal.


Cidinha enfatiza que o grande mérito da Soka Gakkai enquanto organização social é o elo arduamente cultivado entre os associados que se unem, se ajudam e se empoderam juntos. Veteranos = mestres, e novatos = discípulos. Os primeiros, sensíveis e sempre prontos a compartilhar o conhecimento sem soberba, mas com rigorosa precisão; e os últimos, sujeitos ávidos por aprender, gratos pelo compartilhamento de saberes. Unidos eles promovem o bem estar de si, de suas famílias e de todo o seu entorno.


Ela cita o presidente da SGI, dr. Daisaku Ikeda, o grande veterano que aos 88 anos encontra-se em plena atividade, com o firme propósito de deixar aos seus novatos um legado de realizações para consolidar o caminho tão arduamente construído. Ikeda citou em meados da década de 1970 que o século XXI seria o Século das Mulheres. “Então quando o dr. Ikeda fala das mulheres, eu fico pensando, ele conclama a todas nós que é chegada a hora de despertar. É você que pode fazer um mundo novo”, ressalta.


Cidinha relembra que o inconsciente coletivo guarda em sua memória todo o repositório de experiências da humanidade que já passou por um matriarcado e um patriarcado. Hoje a metade feminina da população está despertando novamente para o seu potencial, mas com a sabedoria de quem já vivenciou o poder e sabe o quanto ele pode ser maléfico se não for calcado em uma firme filosofia que permeie a vida.


A mulher de hoje sabe que o equilíbrio entre as forças é a melhor solução para os conflitos. Nem acima, nem abaixo, mas junto.


“Eu acredito que quando as mulheres se dão conta da sua real identidade, são capazes de transformar tudo, e quando conhecem a filosofia do budismo de Nichiren Daishonin o ciclo se completa, conseguem fazer um processo de conscientização de quem é, e que tudo que a gente faz em prol do outro, reverte para si mesmo multiplicado”, explica. Jung fala em processo de individuação, que na filosofia de Nichiren é a transformação interior e a Soka Gakkai denominou de Revolução Humana.


Nesse processo de individuação, Cidinha enfatiza que jamais pensou em desistir, mesmo diante das mais extremas dificuldades. Estudou, trabalhou, cuidou da filha, do lar, e de todas as responsabilidades dentro da BSGI. Nunca negligenciou uma parte sequer. Embora a recompensa material a tenha alegrado sobremaneira – ao final do curso, ela e a família viajaram a Paris – o ganho maior foi a sua plenitude. Que lhe deu a segurança para emendar um curso de pós graduação, em Psicologia Junguiana. Ali encontrou novas ideias e novas possibilidades de crescimento, tanto pessoal, como profissional e também dentro da organização. A qualquer pessoa perguntada sobre ‘quem é a Cidinha Alves?’, a resposta invariável será: ‘é uma pessoa incrível! Um ser humano fantástico!’.


“Esse ano estou me preparando para produzir a minha monografia de conclusão de curso e o tema será voltado para o universo feminino, pois sinto que precisamos incentivar as mulheres  a redescobrirem sua força e a exercerem seu papel de educadoras dentro dessa sociedade tão caótica e desumana, principalmente no que diz respeito à educação dos filhos. Pois cuidando dessa geração que aí vem eles terão condições de construir um futuro melhor para a humanidade e para o nosso Planeta. Pretendo desenvolver projetos e atuar de forma a contribuir ainda mais para a conscientização e desenvolvimento das mulheres dentro e fora da organização”, finaliza Cidinha.

Voltar para o topo

Outras notícias

Abril de 2017

Março de 2017

Fevereiro de 2017

Dezembro de 2016

Novembro de 2016

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI