Interdependência da pessoa e seu meio

“Sem o corpo não pode haver sombra. Analogamente, sem a vida, o ambiente não pode existir, embora a vida seja sustentada pelo seu ambiente.” (Nichiren Daishonin)

Semear, espargir, espalhar, compartilhar. A ciência ainda busca explicação sobre tudo o que se refere à concepção e ao surgimento da vida. Tudo é muito simples, inicia-se com um encontro e vai se mesclando e fundindo, em sinergia contínua e sem fim. Nascimento, vida e morte mimetizam-se em ciclo constante, ininterrupto, de transformação que se propaga desde o início até o aparente fim. Aparente pois a vida não tem fim, bem como a energia que a eterniza. Para se tornar um ser são necessários um sem número de ciclos que perpassam milhares de afoitos instantes coordenados. Todos iniciamos sementes e, ao final, voltamos ao princípio, novamente sementes. A cadeia que envolve os seres vivos é a mesma para praticamente todos os organismos vivos. Começa, desenvolve-se e finda-se. A eternidade, ao mesmo tempo efêmera, e infinita.

Tudo isso é resultado de uma interdependência entre os seres, cuja cadeia de vida estende-se pelos confins do universo. Macro e micro confundem-se e se interrelacionam. Daisaku Ikeda, em seu livro emblemático Vida, um enigma, uma jóia preciosa[1], coloca que:

Na medida em que a vida estende sua influência à circunvizinhança, o meio ambiente automaticamente muda de acordo com a condição da vida. Então, o meio ambiente que é um reflexo da vida interior dos seus habitantes – sempre adquire as características dos que nele existem. (...)

Cada vida é individual e, enquanto se manifesta neste mundo, a particular existência formada simultaneamente configura um meio ambiente com o qual seja compatível. Para ver a verdade disso basta olhar a circunvizinhança de uma pessoa particular, pois – nesse meio – podemos distinguir claramente todas as inclinações e características da sua vida. Se tentarmos imaginar um ser humano sem meio ambiente, estaremos falando de nada, configurando-o misticamente.

O desenvolvimento de cada ser é parte do desenvolvimento do outro, tanto o que se encontra ao lado, como o que está a milhas de distância. Um não se completa sem o outro.

Embora seja uma idéia aceita e consolidada em praticamente todos os meios, o que se vê na realidade é um distanciamento cada vez maior desta verdade em nome de um conjunto de dogmas que, ao longo da história, só tem causado desastres e sofrimento.

O planeta se ressente deste distanciamento a que o homem se impôs e vem dando mostras contínuas de seu desconforto. Tragédias inimagináveis acometem populações inteiras, causando imensuráveis desperdícios de vidas. Tufões, furacões, tsunamis, terremotos, erupções vulcânicas. Tudo ocorrendo em seqüência e em conseqüência do desequilíbrio a que o homem vem impondo o seu meio.

O ambiente em que o ser vive é parte dele e este, por sua vez, necessita de sua colaboração e afeto para subsistir em equilíbrio. A humanidade é parte de um processo evolutivo, em busca constante de desenvolvimento e crescimento. O planeta Terra, de acordo com a teoria de Gaia[2], é um ser vivo, lar de inúmeros organismos que devem conviver em simbiose para o bem deste imenso ser vivo. Cada indivíduo é parte de um processo contínuo de ação e reação que tornam a existência uma luta constante e incerta. E a capacidade de recuperação da comunidade da vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todas as pessoas. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado.

A continuidade de nossa existência neste planeta depende de como encararemos o desafio da convivência harmônica com os demais seres que nela habitam. Não há mais tempo para questionamentos sobre alternativas quanto ao que ser feito. O momento é de agir e mudar. Só assim garantiremos a permanência e o processo evolutivo natural, tanto da espécie humana quanto do mundo em que vivemos.

[1] Livro de Daisaku Ikeda publicado pela Editora Brasil Seikyo.

[2] Elaborada pelo britânico James E. Lovelock, nos fins da década de 60 que, junto com a norte-americana Lynn Margulis, estudou a atmosfera dos planetas como forma de detectar a existência de vida biológica. O termo “Teoria de Gaia” foi criado em homenagem à “deusa grega Gaia”. Segundo os estudiosos, o planeta Terra é um ser vivo, sua biosfera tem a capacidade de gerar, manter e regular as suas condições ambientais.

Voltar para o topo
Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI