Uma vida dedicada à Educação plena

“Qual é o propósito da vida? Se fosse para expressar isso
em apenas uma palavra teria que ser ‘felicidade’. O propósito da
educação deve, portanto, estar de acordo com o propósito da vida.”
(Tsunesaburo Makiguchi)

– A criança tem de ser feliz na escola! – essa afirmativa foi o estopim de um processo de pesquisa e observação criteriosa sobre o sistema educacional do Japão. O educador japonês Tsunesaburo Makiguchi sempre acreditou que o sucesso de qualquer empreendimento educacional tinha que partir da satisfação do educando, nunca partir somente da perspectiva do educador. Era um entusiasta de um método de educação em que o aluno é constantemente instigado e incentivado a buscar novas fontes acerca dos temas propostos, tornando assim o aprendizado um campo lúdico de descobertas, dando prazer e satisfação ao aluno.

– O objetivo da educação não é transferir conhecimento; mas orientar o processo de aprendizagem, para equipar o estudante com toda a metodologia para a pesquisa, de forma a dar-lhe condições para que produza o seu próprio conhecimento! – enfatizava o educador Tsunesaburo Makiguchi acerca dos métodos de ensino-aprendizagem da escola tradicional que se baseiam na simples memorização em vez de voltarem-se aos métodos que proporcionem ao aluno inspiração, de forma que ele adquira a paixão pela aquisição de conhecimento.

Toda a sua vida, a partir desta constatação, foi dedicada à busca pela transformação do sistema educacional japonês e da sociedade como um todo.

Nasce um educador determinado

Foi em um ambiente familiar desestruturado que nasceu o futuro educador revolucionário, em 6 de junho de 1871. Abandonado pelo pai, aos três anos e logo a seguir pela mãe, foi criado pelo tio, Zendayu Makiguchi, de quem adotou o sobrenome. Nesse período recebia periodicamente a visita da mãe, até que esta, em um momento de profundo desespero, buscou o suicídio pulando com o filho no Mar do Japão. Felizmente ambos foram resgatados, mas ao se restabelecer, desapareceu e, mãe e filho jamais voltaram a se encontrar.

Aos 15 anos mudou-se para a casa de outro tio, com quem passou a viver. A pobreza extrema não lhe permitiu prosseguir nos estudos. Mas sua índole severa e inabalável tornou-o um jovem de desempenho irrepreensível e tal característica foi notada no trabalho em uma delegacia de polícia. O chefe, impressionado com o brilhante desempenho, levou-o consigo ao transferir-se para Sapporo – região mais desenvolvida, situada na ilha de Hokkaido – e ali teve a oportunidade de matricular-se no curso de Magistério.

Logo após a formatura, aos 22 anos, em 1893, foi convidado para o cargo de professor-supervisor em uma escola de Ensino Fundamental 1. Foi onde teve seu primeiro embate com a rigidez do sistema educacional japonês. Submetido a uma disciplina férrea, cuja finalidade era a formação de educadores subservientes, deu-se conta da carência de valores humanísticos e da opressão imposta por aquele tipo de sistema. Pouco tempo depois, ao se tornar professor, buscou aplicar outro modelo educacional, baseado em sua convicção sobre a criação de valores. Mas o sistema pouco afeito a mudanças impôs-lhe outro modelo de disciplina. Em 1901, devido a um incidente associado a uma aparente ruptura disciplinar, Makiguchi foi forçado a abandonar seu cargo na escola.

Embora os anos posteriores a esse fato tenham sido marcados por muitas dificuldades financeiras, foi também um período de grande proficiência intelectual, pois resultou na publicação de seu primeiro livro, Geografia da Vida Humana [1], em que enfatiza a relação de interdependência entre o homem e a natureza. A atualidade da obra de Makiguchi reflete-se na expressão contemporânea: “pensar globalmente, agir localmente”. Um dos pontos centrais desta obra está expressa no seguinte trecho:

“o ponto inicial e natural para compreender o mundo e nossa relação com
ele é a comunidade (uma comunidade de pessoas, de terra e cultura)
que nos dá origem. É essa comunidade que nos concede a própria vida e nos
inicia no caminho para nos tornar as pessoas que somos. É ela que
nos oferece a base como seres humanos, como seres culturais.”

Após ocupar vários cargos, entre eles no Ministério da Educação, em 1913 tornou-se diretor da Escola de Ensino Fundamental Tosei, e nos vinte anos posteriores trabalhou como diretor e professor primário em outras escolas de Tóquio. Foi das observações anotadas e acumuladas durante esse período, refletindo seu pensamento e experiência, que teve origem a obra Educação para uma Vida Criativa [2], publicado por Dayle M. Bethel, pesquisador da vida e da filosofia educacional de Makiguchi.

O educador Makiguchi baseava sua filosofia educacional naquilo que chamava de “teoria da criação de valor”. O propósito da vida era a felicidade, que ele definia como sendo o estado em que a pessoa pode plenamente criar seu próprio valor.

O mestre encontra seu discípulo

Foi em meio aos anos de 1920 que conheceu o então jovem Josei Toda, de 19 anos. Também um professor, como ele um idealista e inconformado com os rumos da Educação em seu país, juntos estabeleceram quase que de imediato uma relação baseada em mútuas convicções e ideais, tornando-se inseparáveis, como mestre e discípulo.

Mais tarde, em 1928, um fato marcou indelevelmente a vida de ambos: o Budismo de Nichiren Daishonin. O diretor da escola comercial de Mejiro foi quem lhes apresentou a filosofia de vida na qual, ao se aprofundarem no estudo, encontraram a expressão última da filosofia humanista de valor por eles defendida.

Convicto de que a chave para a completa transformação da humanidade se baseava nesta filosofia, Makiguchi fundou em 1930, a Soka Kyoiku Gakkai – Sociedade Educacional para a Criação de Valores – tornando-se seu primeiro presidente. Esta organização social foi a predecessora da atual Soka Gakkai.

Paralelamente, neste mesmo ano, é publicada a obra Teoria do Sistema Educacional de Criação de Valores (Soka Kyoikugaku Taikei), sob a qual baseou todo o ideal de sua organização recém fundada. Tendo sempre ao seu lado o discípulo Toda, Makiguchi prossegue em sua luta por uma sociedade baseada em valores humanísticos, não em dogmas e sistemas rígidos e equivocados de valor.

A Segunda Guerra Mundial trouxe o conflito para dentro do país e, os principais afetados como sempre, foram os seus cidadãos. O governo militar acreditava que para vencer a guerra, precisava unificar a Nação em torno de uma crença única – o xintoísmo – cujo principal dogma era a divindade do imperador.

Por discordar veementemente desta imposição, Makiguchi, Toda, e sua organização Soka Kyoiku Gakkai, passaram a ser pressionados para que refutassem sua fé e passassem a adorar o talismã xintoísta.

Com os constantes reveses das forças japonesas no Pacífico Sul, a partir de maio de 1943, o governo militar arrocha a imposição quanto à unificação religiosa e aprisiona os dois líderes da Soka Kyoiku Gakkai, Tsunesaburo Makiguchi e Josei Toda, em 6 de julho de 1943. O que ambos defendiam, no entanto, era simplesmente a liberdade – de crença, de posição ideológica – direito universal de todo ser humano.

Os maus tratos e a idade avançada finalmente cobraram seu alto preço. Após 17 meses em confinamento arbitrário e injusto, o presidente Tsunesaburo Makiguchi falece aos 73 anos, vitimado pela debilidade física causada pela desnutrição severa, no dia 18 de novembro de 1944.

Porém seu legado – o método revolucionário de ensino, mais tarde reconhecido e difundido por todo o mundo – foi preservado dignamente pelo discípulo, Josei Toda. Além desta grandiosa obra intelectual, sua principal realização, a Soka Kyoiku Gakkai, embora combalida pela feroz perseguição promovida pelo regime militarista xintoísta, retornará das cinzas triunfante pelas mãos zelosas e competentes deste seu pupilo que não medirá esforços para torná-la a maior organização filosófica leiga do Japão e, posteriormente, uma das maiores do mundo.

[1] Obra ainda inédita em português.

[2] Publicado pela editora Record.

Voltar para o topo
Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI